Slide

Blogagem Coletiva | Uma cama vazia

quinta-feira, janeiro 21, 2016


Para ler ao som de: The Neighbourhood - Unfair


Nunca tive medo de estar sozinha e de ser a minha própria companhia. É um receio jamais sentido por mim. Minhas tentativas nunca falharam em esquecer alguém - até agora. Sim, eu falhei. Sentada na beira da janela, admiro o céu estrelado que hoje tem estrelas cujo brilho não me instiga mais. Elas perderam totalmente a sua luminosidade assim como eu perdi as cores que me faziam aquarela de sentimentos.

É que eu me sinto só, mas você ainda está em mim. Em mim, e não comigo, devo enfatizar. A linha tênue entre essas duas realidades diferentes é o que me provoca o medo que sinto hoje. O tal receio que eu nunca havia sentido. Antes eu era a minha própria companhia, agora eu tenho outra: a solidão. E ela é pior do que nada. Ela é pior do que sentir o teu perfume nos lençóis mesmo sem ter a tua visita há 3 meses. Ela é pior do que pegar duas xícaras de café e esquecer que você não vem para o jantar. Ela é pior do que estar sozinha. Ela é se sentir sozinha.

O acaso me deixou tão só, já dizia Tavares. Desde então, comecei a tentar lidar com o fato de que relacionamentos têm um prazo de validade, pelo menos em sua maioria. Quem te faz bem hoje, talvez seja o conhecido que não vai saber se te cumprimenta com um abraço ou um aceno amanhã. Nada dura para sempre, e talvez esse seja o ponto. Um moço falou em um vídeo que relacionamentos são como pontes: temos que construí-las, e depois de atravessá-las, destruí-las. Isso ainda não me conforma quanto ao fato de que a nossa travessia chegou ao fim.

Dos meus vícios, você é o único do qual eu sofro de real abstinência. Meus cigarros e o vinho tinto estão aqui apenas para me fazerem companhia nas noites em que nem a minha companhia me basta. Me olho no espelho, e já não aparento mais meus 24 anos. As olheiras insistem em permanecer e as roupas parecem ter parado no tempo, assim como a minha cabeça e os meus relógios. Eu estou apenas existindo, no modo de espera. Como se a qualquer momento essa espera fosse terminar e você fosse aparecer na porta dizendo que sente saudades. Eu sei que não vai, mas aquele tantinho de esperança nunca se esvai. Ele fica ali, me lembrando a cada momento do dia o quão infeliz eu tenho sido. O quão sozinha eu tenho me sentido. 

Tento pregar os olhos, mas eles parecem não querer fechar. A bebida torna tudo um pouco distante do que deveria estar, e eu me sinto distante, mais uma vez. Insisto em voltar às nossas memórias, como se um filme passasse na frente dos meus olhos. Agarro o travesseiro, na esperança que ele cumpra o seu papel de me trazer conforto por esta noite. Tudo pesa, tudo gira, tudo para. As noites são a parte mais difícil dos meus dias. O silêncio é a parte mais difícil das minhas palavras. Ele dói. Machuca, corta. E eu continuo ali, entre os meus pensamentos. Deitada em uma cama vazia, tomada por uma mente cheia de você. E por uma vida vazia de nós dois.

ESTE POST FAZ PARTE DA BLOGAGEM COLETIVA DE JANEIRO DO GRUPO DE ELITE DO BLOGS QUE INTERAGEM. O TEMA ESCOLHIDO FOI "UM CONTO DE SOLIDÃO".

Leia também

16 comentários

  1. Mari, ficou maravilhoso.
    Adoro B.C porque no mesmo tema podemos fazer coisas tão diferentes, também escolhi esse e o meu foi por uma linha bem diferente rs.
    Essa frase chega apertou o peito. "Eu estou apenas existindo, no modo de espera."
    Amei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cami, não sabe o quanto me deixa feliz com esses comentários ♥ Muito obrigada, mesmo. Eu também gosto bastante disso, a gente interpreta de uma forma bem distinta e isso que é o legal de escrever sobre o tema. Eu fiquei apaixonada pelo teu texto, tocou lá no fundinho hehe.
      Beijos.

      Excluir
  2. oi, oi.

    juro que chorei. na verdade, to chorando ainda. poxa! como tu é malvada. Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn, jura? Fico feliz que ao menos o texto tenha te tocado, esse foi a intenção ♥

      Excluir
  3. Nossa Mari..
    Sem palavras, ainda estou chorando, um texto nunca me tocou tanto como o seu, me sinto da mesma forma e vivencio cada sentimento da personagem do seu texto.. é tão difícil, tão doloroso se sentir assim, meu relacionamento de 4 anos acabou e ainda vivo na esperança de que um dia ele apareça na porta dizendo que sente saudades.. exatamente como no seu texto... você é incrível!
    Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Talis, que linda ♥ Muito obrigada, fiquei muito feliz que gostou do texto e espero que ele possa te servir de conforto no momento. Infelizmente todos temos que passar por essa situação algum dia, mas nos serve de grande aprendizado. Temos que passar pelo sofrimento para que depois venham os momentos bons de novo. É difícil lidar com uma perda, mas sei que vai conseguir. Saiba que nunca estará sozinha e que o que acontecer vai ser o melhor pra você, viu?
      Beijos.

      Excluir
  4. Adorei a forma como você lidou com o tema, ficou um texto maravilhoso Mari ♥ O término de uma relação representa muito bem esse período de descobrimento, de amadurecimento. É uma fase muito boa para aprendermos sobre nós mesmos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada moça, fico feliz de receber elogios vindos logo de ti ♥ Por mais complicado que seja, também acredito que seja um período de muito amadurecimento, quando precisamos aprender a lidar com uma situação nada fácil e inesperada. Ninguém espera por um término. Nos resta saber crescer da melhor forma possível nessa fase de superação.

      Excluir
  5. Caralho. Você sempre me deixa sem fôlego com seus textos, Mari. Sempre que acho que não pode me surpreender levo um tapa na cara.
    "É que eu me sinto só, mas você ainda está em mim. Em mim, e não comigo, devo enfatizar. A linha tênue entre essas duas realidades diferentes é o que me provoca o medo que sinto hoje. "
    Eu queria citar o texto todo, para ser sincera, mas me contentei com esse trecho maravilhoso. Eu não sei o que dizer.
    Só sentir.
    E eu sinto bastante, cada linha. Parece que me escreveu aí. Como sempre.
    Está maravilhoso. Como sempre também.
    Mil beijos

    Com carinho, Beca; Café de Beira de Estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem fôlego fico eu com os teus comentários, juro! Fico muito feliz que tenha conseguido te escrever de alguma forma e que tenha gostado do texto. Saiba que fico muito feliz, mesmo <3 Muito obrigada.
      Beijos =)

      Excluir
  6. Olá Mariana! Seu texto é lindo e seu blog é show!
    Você escreve muito bem, profundo!
    Você descreveu a palavra certa: prazo de validade em relacionamentos. Se não é de verdade, acaba. A saudade bate, a ilusão toma conta da sua mente rs, é complicado!

    www.faseseestacoes.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sabrina! Que amor, muito obrigada <3 Seja bem-vinda :) Agradeço pelo carinho e fico feliz que tenha gostado do texto e do blog. É verdade, eu acho que a vida tem muitas surpresas e às vezes acaba tomando rumos inesperados. Muitas pessoas aparecem nas nossas vidas para nos acrescentar algo de bom e depois tudo acaba. Não acho que seja necessariamente porque não era de verdade, mas porque o "tempo" dessas pessoas já foi, sabe? Às vezes as coisas já não dão mais certo mesmo. E é complicado, sim.
      Beijos.

      Excluir
  7. Realmente a própria companhia na verdade é a solidão bem vestida...
    Nem sei por quanto tempo vivo com essa companhia constante e exigente, que não deixa que outra partilhe dos momentos.
    Aos poucos fui aprendendo a lidar com essa companhia; mas ainda não sou muito boa em lidar com nostalgias não vivenciadas.
    Amei o texto. Muito lindo.

    Blog Riscoculto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Sarah. Às vezes acostumamos tanto com a solidão ao nosso lado que acabamos não permitindo que outros se aproximem para tomar o seu lugar. Em outras, não sabemos muito bem como lidar com ela. O fato é que precisamos aprender a ficar sozinhos para depois podermos ficar junto de alguém.
      Fico muito feliz que tenha gostado, muito obrigada ♥♥

      Excluir
  8. Nossa, estou sem palavras! O seu texto realmente me emocionou. Já é tão difícil se entregar a uma pessoa e deixar ela entrar totalmente que é ainda mais complicado com a perdemos, quando amamos de verdade, terminar um relacionamento é horrível e a solidão fica sempre do nosso lado.
    Eu amei amei amei o seu texto e o seu jeito de escrever, eu não conhecia o seu blog mas agora também não largo mais!
    Beijos,
    O Faz de Conta da Liv

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lívia, que comentário mais amorzinho ❤ Muito obrigada, moça, e seja bem-vinda :) É realmente difícil a gente se entregar, e o pior é quando tomamos essa decisão de vez e o outro decide não ficar. É muito dolorido passar por isso e aceitar que a nossa companhia a partir dali é a solidão.
      E volte mais vezes, sim!
      Beijos.

      Excluir

Postagens Populares

Inscreva-se